Inovação financeira: o que é e como aplicar no seu negócio

inovação financeira

A inovação financeira é uma consequência da transformação digital, um fenômeno que tem impactado diversos setores.

Para você, esses impactos podem ser muito positivos.

Para o seu negócio, ainda mais, com oportunidades diversas.

Quer aprender mais sobre elas? É só ler este conteúdo até o final.

A partir de agora, vamos explicar o conceito de inovação financeira, as mudanças que ele traz e novos serviços que você pode utilizar e oferecer a seus clientes.

O que é a inovação financeira?

A inovação financeira diz respeito à adoção de tecnologias para a gestão de recursos financeiros, o que se materializa na oferta de novas soluções no mercado.

Acontece tanto em nível individual (atingindo o consumidor pessoa física) quanto empresarial.

Em ambos, tem por objetivo aumentar a sua participação na economia, garantindo acesso a produtos e serviços relacionados ao seu dinheiro.

Tudo aquilo que facilita a vida de pessoas e empresas na gestão de finanças, mudando a forma como algo era feito até então, pode ser caracterizado como inovador.

Mais recentemente, um ótimo exemplo de inovação financeira é o Pix, o sistema de pagamento instantâneo, que serve para transferir dinheiro, pagar contas e realizar compras por QR Code.

Antes dele, transações financeiras dependiam de DOC ou TED, serviços com taxas e tempos mais altos de realização.

O Pix agregou facilidade, mas sem deixar de lado a segurança, que é outro fator importante em todo tipo de inovação financeira.

o que é inovação financeira

Quais são os benefícios da inovação financeira?

A inovação financeira oferece diversas vantagens, tanto para a população quanto para as empresas.

Isso porque, como explicamos no exemplo do Pix, quando há inovação, há maior facilidade para todo o sistema financeiro.

Veja alguns ganhos que esse tipo de solução inovadora traz ao dia a dia de pessoas e negócios:

  • Otimização do tempo: tudo é feito de forma mais rápida
  • Menos burocracia: a necessidade de ir presencialmente a uma agência bancária, por exemplo, praticamente desaparece
  • Praticidade: muitos dos produtos e serviços são acessados a partir de toques na tela de um smartphone
  • Maior controle: dentro do conceito de Open Banking, que é outra inovação financeira, cada usuário decide quais informações compartilhar
  • Serviços especializados: empresas financeiras passam a se concentrar na oferta de menos serviços, e essa segmentação agrega qualidade ao mercado
  • Alta tecnologia: desde o acesso aos serviços financeiros até detalhes da sua experiência com ele, tudo é facilitado pelo uso de tecnologias inovadoras
  • Menos custos: não menos importante, quando tudo se resolve online, a tendência é de corte de taxas e juros, inclusive, oferecendo algumas soluções gratuitamente.

Quais são as principais inovações no setor financeiro?

O setor financeiro não para de inovar.

Nos últimos anos, foram muitos os avanços que impactam positivamente nossas vidas.

A seguir, apresentamos detalhes sobre algumas dessas inovações.

Acompanhe!

Open Banking

O Open Banking (em sua tradução literal, banco aberto) é um dos mais clássicos exemplos da inovação financeira.

Nesse conceito, o compartilhamento de dados financeiros entre instituições financeiras se dá de modo personalizado.

Ao descentralizar as informações bancárias, o sistema permite que o cliente as leve para onde quiser, acessando produtos e serviços adequados ao seu perfil.

Ganha o consumidor, mas também diferentes negócios.

Agora, mesmo quem não é banco pode oferecer serviços financeiros inovadores e personalizados.

Fintechs

As fintechs, que são startups financeiras, também se classificam como um modelo de inovação financeira.

E não é para menos, afinal, elas combinam serviços financeiros com as mais avançadas tecnologias do mercado.

Essas empresas digitais atuam em variados segmentos, a exemplo de gestão financeira, empréstimos, pagamentos e investimentos.

Inclusive, é um dos mercados que mais cresce em todo o mundo.

As fintechs brasileiras atraíram mais de 9,4 bilhões de dólares somente em 2021.

Mas os números de destaque não param por aí.

A abertura de fintechs unicórnios no país (startups privadas com uma avaliação de mais de US$ 1 bilhão) aumentou de 61 em abril de 2020 para 108 em abril de 2021.

fintechs financeiras

Laboratório de Inovação Financeira (LAB)

O Laboratório de Inovação Financeira é um fórum de interação multissetorial.

Lançado em agosto de 2017, atua por meio do diálogo entre setores organizados em Grupos de Trabalho (GT).

O objetivo do LAB é criar soluções inovadoras de financiamento para a impulsionar recursos privados.

Esses serão destinados a projetos com cunho social e/ou ambiental.

Assim, é esperado que as iniciativas colaborem para:

  • O cumprimento das metas brasileiras associadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS (Agenda 2030)
  • O enfrentamento dos riscos de mudança climática (Acordo de Paris).

Fazem parte das pautas de discussão da iniciativa:

  • Crowdfunding de investimento
  • Fundos rotativos solidários
  • Fintechs
  • Seguros e garantias.

Lift Learning

O Lift Learning é um ecossistema de inovação, coordenado pelo Instituto Fenasbac e pelo Banco Central do Brasil.

A iniciativa é apoiada por organizações de tecnologia, que desenvolvem propostas de inovação para o Sistema Financeiro Nacional.

Entre os parceiros da iniciativa, estão Microsoft, IBM, Cielo, entre outros.

Tem por objetivo propor soluções tecnológicas para o setor financeiro, dando subsídios ao ecossistema de inovação no setor.

Os projetos são participativos e as soluções são documentadas em artigos científicos.

Associação Brasileira de Crédito Digital (ABCD)

Fundada em 2016, a Associação Brasileira de Crédito Digital nasceu da união de sete empresários da área de crédito digital.

O objetivo da instituição é incentivar a competição no segmento financeiro, agregando inovação e menos complexidade.

Além disso, busca democratizar o sistema financeiro, a fim de torná-lo mais inclusivo, com a oferta de taxas de juros mais baixas.

Como aplicar a inovação financeira em seu negócio

Agora que você já sabe o que é e quais são as principais inovações no setor financeiro, veja como aplicar no seu negócio.

Separamos dicas e informações úteis para a sua estratégia nesse mercado.

1. Planejamento estratégico

O plano estratégico define os objetivos e metas do negócio, além das ações necessárias para que sejam concretizados.

É a partir desse instrumento que a empresa começa a se organizar para incorporar inovações financeiras ao seu dia a dia.

O mesmo ocorre se a intenção é oferecer algum serviço relacionado para seus clientes.

Não é porque são muitas as inovações ao alcance do negócio que o empreendedor vai decidir adotar todas elas, concorda?

É muito mais inteligente (e barato) concentrar esforços naquilo que combina com seus objetivos e seu público.

E é para isso que serve esta primeira etapa.

2. Análise de rentabilidade do negócio

Para adotar a inovação financeira na organização, é preciso fazer uma análise de rentabilidade empresarial.

Esse indicador mostra se os investimentos realizados repercutem no retorno projetado, demonstrando a eficiência da empresa.

Ao mesmo tempo, verifica se há segurança financeira para os rumos que o empreendimento pretende tomar.

Sempre lembrando que a lucratividade caminha lado a lado com a rentabilidade.

Em outras palavras, é preciso identificar a capacidade que o negócio terá de fazer frente ao que se propõe implantar.

Projetar o futuro do caixa é uma forma de empreender com segurança a cada passo dado.

Vale para empresas iniciantes e também para negócios com anos de mercado.

3. Análise de burocracias

A contratação de um serviço ou produto e mesmo a oferta desse tipo de solução aos clientes demanda etapas burocráticas.

Como a empresa vai atender a todas elas?

É disso que se trata a análise de burocracias.

Ou seja, uma avaliação prévia de documentos a reunir e a apresentar, requisitos a cumprir, modificações a promover na empresa, etc.

4. Feedback de outras pessoas e empresários

Aqui, vale repetir um ponto que já comentamos no item 1, do planejamento estratégico.

Não é porque há uma série de inovações financeiras acessíveis que você vai contratar todas elas.

Como acontece com qualquer solução, também no campo financeiro é importante ouvir a avaliação de quem já fez uso dela.

É por isso que falar com empresários e pessoas que possuem conhecimento na área é tão importante.

Converse ainda com outros públicos de relacionamento, como fornecedores, consultores e até mesmo clientes.

Valorize essas opiniões na sua tomada de decisão.

5. Compartilhamento de ideias com o grupo

Outro erro que você não pode cometer ao adotar a inovação financeira na sua empresa é decidir tudo sozinho.

Mesmo que você esteja à frente de uma empresa sem sócio, onde a palavra final seja sempre sua, não há por que não dividir suas preocupações com os demais membros do time.

Então, a dica é compartilhar as ideias, anseios e temores com a equipe.

Existem ferramentas para isso, como o brainstorming e o design thinking, que são métodos inovadores para chegar a decisões inteligentes.

6. Mapeamento de processos

Chegamos à fase em que as ações internas começam a ocorrer.

Ou seja, a análise agora se concentra em mapear os processos existentes para medir o impacto da inovação financeira sobre eles.

Isso também vai permitir identificar a necessidade de incorporar novos processos, que atualmente não existem na sua organização.

Lembrando que a inovação tecnológica no setor de finanças e contabilidade pode ser usada:

  • No fluxo de caixa
  • No levantamento de deficiências nas ações de cobrança e recebimentos
  • Na conciliação bancária
  • No pagamento de obrigações fiscais
  • Na apuração de tributos
  • E em muitos outros processos de rotina da empresa.

7. Controle de receitas

Controlar as receitas é eficaz não somente para que sua empresa tenha capacidade de investir em uma inovação financeira.

É também necessário para manter no radar os resultados gerados pela própria inovação, como quando ela é ofertada aos clientes na forma de um novo serviço ou produto.

Quanto sua empresa fatura? Quais são as principais fontes de receita? Há casos de inadimplência de clientes?

Todas essas são informações que aparecem em relatórios de receitas.

Para fazer esse controle, você pode tanto usar soluções simples e gratuitas, como planilhas online e aplicativos, quanto se valer de softwares de gestão.

Em qualquer caso, a tecnologia é sua aliada para descomplicar uma tarefa burocrática, mas necessária.

8. Planejamento de contas empresariais e pessoais

Por fim, chegamos a um ponto sensível: a separação das contas da pessoa física e da pessoa jurídica.

Sabemos que, no Brasil, há muitos negócios formalizados que são gerenciados e mesmo tocados no dia a dia por uma só pessoa.

Nesses casos, não raro o dinheiro da empresa vira dinheiro do empresário, e vice-versa.

Essa situação coloca em risco a sustentabilidade do empreendimento, além de trazer diversos transtornos financeiros e de ordem fiscal.

Logo, separar as contas e planejar os gastos é fundamental para que a transformação digital possa ser usada de forma acertada, trazendo os resultados almejados.

Não pode a empresa ser moderna nos serviços e ultrapassada na gestão, concorda?

transformações no setor financeiro

Quais serão as novas transformações no setor financeiro?

A inovação financeira já é realidade, mas muitas novidades ainda vêm por aí.

Cada vez mais, você vai ouvir falar no conceito de personalização, com produtos e serviços feitos sob medida para cada cliente.

Seu negócio também pode se beneficiar, é claro. 

Comece prestando atenção em:

  • Novos serviços com infraestrutura em nuvem
  • Novas tecnologias de pagamentos
  • Hiper automação
  • Sistemas baseados em machine learning
  • Inteligência artificial na análise de crédito e concessão de empréstimos
  • Maior uso do reconhecimento facial como medida de segurança.

Além disso, as mudanças experimentadas pelo mercado financeiro recentemente devem fazer parte da nova realidade do setor.

Isso porque a pandemia desencadeada pela Covid-19 impulsionou fortemente a consolidação e o desenvolvimento de tecnologias no setor financeiro.

Esse cenário já é perceptível com os dados sobre investimentos em startups brasileiras.

Somente em 2021, foram US$ 8,85 bilhões de dólares, de acordo com levantamento da plataforma Distrito Dataminer.

Dentro do segmento, as fintechs receberam o maior número de aportes, totalizando US$ 311 milhões.

Nesse cenário, muitos especialistas apostam que o futuro da área está relacionado ao Big Data.

Essa tecnologia envolve a coleta, análise, interpretação e uso de uma quantidade gigantesca de dados para diferentes tomadas de decisão.

👉Conheça o conceito de Invisible Banking da Aarin.

Conclusão

Neste texto, você viu que as novas tecnologias, juntamente com a necessidade de modernização do setor, impulsionam a transformação digital nas empresas.

Além disso, vêm para consolidar de forma positiva a experiência do consumidor.

Por isso, a inovação financeira é um dos principais focos das empresas que desejam conquistar cada vez mais mercados.

Por que seria diferente no seu negócio?

O momento é ótimo para aproveitar as oportunidades nesse sentido.

Na Aarin, oferecemos soluções de transações financeiras e gestão de caixa para empresas.

Visite o site e comece a construir agora o futuro do seu negócio.

Compartilhe este post

Leia também

Deixe uma resposta

Fale com a Aarin!

Preencha o formulário abaixo que entraremos em contato:

Mensagem enviada com sucesso!

Entraremos em contato em breve! 

A aarin utiliza cookies para tornar sua experiência aqui, mais prática e dinâmica. Ao navegar no site, você concorda com política de privacidade e cookies.

%d blogueiros gostam disto: