Ícone do site Blog Aarin

Serviços financeiros: quais são e como prestá-los

serviços financeiros

A oferta de serviços financeiros deixou de ser exclusividade dos grandes bancos há algum tempo.

Graças ao avanço da tecnologia, fintechs e bancos digitais ingressaram com tudo no mercado, promovendo soluções eficientes e seguras.

Essa tendência de abertura teve ainda um salto gigantesco com o Pix, a solução em transferências eletrônicas lançada pelo Banco Central no final de 2020.

O mercado já percebeu que o Pix é muito mais do que uma simples ferramenta para realizar transações bancárias.

Tanto que, com ele, surge no Brasil o conceito de Invisible Banking.

É o banco invisível, no qual serviços financeiros passam a ser integrados à rotina das pessoas e empresas.

Nesse contexto, os serviços antes exclusivos dos bancos passam a ser oferecidos por empresas que não são propriamente desse segmento.

Isso mesmo: sua empresa também pode aderir ao Banking as a Service, proporcionando mais satisfação aos seus clientes enquanto agrega novas fontes de receita.

Avance na leitura e descubra as possibilidades que estão ao seu alcance.

O que significa serviço financeiro?

Durante muitos anos, pagar uma conta significa uma verdadeira via crucis, na qual o cliente precisava reservar uma tarde inteira só para ir ao banco.

Esse é um exemplo de serviço financeiro que, no passado, era prestado de forma “analógica”, demandando a presença do cliente e de um funcionário da agência.

Os caixas eletrônicos surgiram e, com eles, essa demanda por atendimento presencial diminuiria bastante.

Mas ainda faltava uma maior integração dos serviços bancários e financeiros à vida do cliente, já que os caixas eletrônicos também demandam presença.

Foi aí que a internet e a evolução dos aplicativos para celulares proporcionou um verdadeiro salto de qualidade, quando os bancos passaram a caber na palma da mão.

Hoje, praticamente todos os serviços financeiros, desde o mais simples pagamento até o investimento mais arrojado podem ser feitos via aplicativo.

Qual a diferença entre produto e serviço financeiro?

Por falar em pagamentos e investimentos, vale destacar que se tratam de coisas distintas no universo financeiro.

O primeiro é estritamente um serviço e, sendo assim, ele é o mesmo em todas as instituições financeiras em que é prestado.

Já um investimento é um exemplo dos chamados produtos financeiros, um tipo de solução em que o cliente pode aplicar uma soma e ter algum tipo de benefício em troca.

Assim são classificados também seguros, planos de previdência e outros tipos de aplicação, cujas regras, critérios de adesão e outras especificidades são definidas por cada banco.

Quais são os serviços financeiros?

A digitalização chegou a tal ponto que, hoje, as empresas podem até abrir mão dos seus bancos para realizar suas operações.

Graças ao Pix e ao conceito de Open Banking.

Mais ainda, elas podem até mesmo prestar serviços para os seus clientes, dispensando a intermediação de uma instituição financeira para legitimar as operações.

Note que não se trata de abrir mão dos bancos, que continuam a ser necessários. 

O que acontece, agora, é a dispensa dessas empresas para que certos serviços financeiros possam ser prestados.

Em outras palavras: em vez de recorrer a um banco para emitir boletos, entre outras soluções, sua própria empresa pode gerir esse tipo de serviço.

Nesse novo cenário, uma série de recursos podem ser oferecidos diretamente, como os que destacamos a seguir. 

Acompanhe!

Transferência

O Pix revolucionou o mercado financeiro ao permitir que as pessoas transfiram recursos entre contas bancárias instantaneamente e sem custos.

Sua criação fez o público deixar de lado os tradicionais TED e DOC, serviços de transferência cuja prestação exige o pagamento de uma tarifa.

Além de caros, eles se caracterizam pela burocracia, já que demandam procedimentos formais de verificação antes da liquidação da transferência.

Agora, tudo isso pode ser feito instantaneamente, bastando apenas que a pessoa que vai receber os recursos informe a sua chave Pix (pode ser o e-mail, celular, CPF ou uma combinação aleatória).

Emissão de boletos 

Apesar da enorme adesão ao Pix, os boletos bancários continuam tendo grande aceitação como meio de pagamento entre os brasileiros, como aponta pesquisa da Opinion Box.

Esse é mais um serviço financeiro típico dos bancos, mas que pode ser prestado diretamente, desde que uma empresa conte com uma solução em Invisible Banking.

Enquanto forma de pagamento, o boleto tem uma vantagem, que é o custo zero para o cliente.

Lembrando que, de acordo com o entendimento do STJ, cobrar pela emissão de boletos é uma prática ilegal e que fere o art. 39 do Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Pagamentos de contas 

O pagamento de contas pode ser feito diretamente junto aos bancos, constituindo assim uma categoria à parte de serviços financeiros.

Para isso, o cliente escolhe a forma como deseja pagar.

Se for por um serviço conveniado ao banco, basta acessar o internet banking na opção “pagamentos” e liquidar a operação.

Ou, se for um pagamento de uma empresa externa, o cliente pode recorrer ao Pix, boleto bancário, cartão de débito, crédito ou, em alguns casos, utilizando voucher.

Folha de pagamento 

Gerir a folha de pagamento é uma tarefa que cabe aos profissionais de recursos humanos que, por sua vez, usam os serviços bancários para apoiar em suas rotinas.

Afinal, esse é um custo que gera a cobrança de impostos e encargos que, como tais, pedem a prestação de um serviço ainda mais específico.

Com o conceito de Open Banking, a folha de pagamento passa a ser um repositório de dados que pode ser compartilhado abertamente no ecossistema financeiro.

Movimentação de dinheiro 

Ninguém é obrigado a ter uma conta bancária apenas. 

Aliás, com a abertura do mercado financeiro, o que mais tem é banco e fintech oferecendo vantagens e produtos financeiros variados.

Dessa forma, é cada vez mais comum que pessoas e empresas tenham mais de uma conta, dependendo de seus objetivos.

Por exemplo, há casos em que a pessoa usa uma conta só para pagar despesas e outra para investimentos.

Considerando essa realidade, é preciso contar com serviços financeiros que permitam movimentar dinheiro entre contas com agilidade e transparência.

Débito automático 

Quem paga por despesas recorrentes pode utilizar o débito automático para quitá-las sem a necessidade de acessar aplicativos ou internet banking.

Nele, o cliente cadastra uma conta específica, informando alguns dados financeiros para que o pagamento seja feito automaticamente em uma data pré-definida.

É bom para quem paga, já que evita a incidência de juros por atraso. 

Para quem recebe, é a garantia de um fluxo de caixa no azul e a certeza de uma reserva que pode até ser usada como lastro para solicitação de crédito.

Split de pagamentos 

Em certos modelos de negócio online, como o de marketplaces, o valor de uma venda é sempre repartido entre os diversos agentes envolvidos em uma transação.

Assim sendo, é preciso assegurar que a divisão dos pagamentos seja feita de forma ágil, transparente e segura.

Essa é a “missão” do chamado split de pagamentos que, como o nome entrega, faz a repartição (split) de um pagamento, enviando suas partes a quem de direito.

Conciliação bancária 

Nos pagamentos com cartão, entram em cena a empresa que recebe pela venda, a operadora do cartão, a adquirente e o banco.

Cada um desses agentes deve receber o valor pela prestação dos seus respectivos serviços, enquanto os gateways de pagamento verificam a existência de fundos na conta do comprador.

Esse processo de comunicação entre as diversas instâncias envolvidas em pagamentos com cartões é chamado de conciliação bancária.

Consiste em uma conferência e checagem de dados financeiros em tempo real, realizada eletronicamente, de maneira que uma transação possa ser validada.

O que são serviços não financeiros?

A abertura do mercado financeiro trouxe à tona um mundo de possibilidades.

Enquanto surgem novas empresas dedicadas à prestação de serviços financeiros, os bancos tradicionais e fintechs passaram a olhar também para os serviços não financeiros.

Um bom exemplo disso é o que fez o Banco Inter, que já sinalizou em uma matéria no blog da Febraban sua entrada no mercado com outros tipos de serviço ligados ao e-commerce, como compras no app.

O que é uma empresa de serviços financeiros?

Uma empresa de serviços financeiros é toda aquela que disponibiliza facilidades para que seus clientes possam gerir seu dinheiro e movimentá-lo.

Ela é quem realiza, por exemplo, a intermediação de pagamentos, garantindo assim que os recursos sejam repassados entre contas. 

Também são responsáveis por desenvolver produtos financeiros como seguros e carteiras de investimentos, entre outros.

Como prestar serviços financeiros?

A partir do que vimos, hoje é possível, por meio do conceito de Banking as a Service e Invisible Banking, prestar diretamente serviços financeiros mesmo sem ser desse ramo.

Esse é o core business da Aarin, primeiro hub tech-fin especializado em Pix e Open Banking no Brasil. 

Veja a seguir como sua empresa pode prestar serviços financeiros com o nosso apoio.

1. Conte com uma plataforma

O primeiro passo é ter o suporte de uma plataforma que possa conectar suas soluções financeiras diretamente com o seu banco e os bancos dos seus clientes.

Isso acontece por meio de ferramentas 100% digitais, on cloud (na nuvem), com a utilização de tecnologias baseadas em Inteligência Artificial e Internet das Coisas (IoT).

2. Defina um serviço/produto

O conceito de Invisible Banking fez com que a oferta de serviços financeiros fosse fragmentada, permitindo que cada empresa defina que tipo de serviço quer prestar.

Você pode, por exemplo, oferecer desde a abertura de uma conta junto ao seu negócio, como disponibilizar pagamentos diretos via Pix, entre outras soluções.

3. Tenha um processo

Um processo nada mais é do que a soma dos eventos registrados entre uma entrada (por exemplo, um pagamento) e uma saída, que seria a emissão do comprovante dessa operação.

Processos como esse são definidos pela plataforma de Invisible Banking contratada que, como tal, se responsabiliza pela gestão dos serviços financeiros oferecidos.

4. Foque na experiência do cliente

Não basta somente oferecer soluções para o cliente se elas não são baseadas em seus anseios e expectativas.

Acima de tudo, o que vale mais é a experiência percebida, até porque esse é um dos princípios que norteiam os serviços bancários eletrônicos. 

Então, quanto mais ágil, seguro e conveniente, mais positiva será a experiência relacionada a esses serviços.

5. Use os dados a seu favor

Outro conceito fundamental para o novo sistema financeiro é o de Open Banking, do qual deriva outro conceito, o de Open Finance

Nele, os dados financeiros dos clientes passam a ser compartilhados, permitindo assim que diferentes empresas concorram entre si para oferecer serviços sob medida.

Isso abre todo um leque de possibilidades para explorar um outro conceito, o de Big Data. 

Por ele, as empresas baseiam sua oferta de serviços a partir do que os dados dos clientes apontam.

6. Faça dos serviços financeiros um plus

Considerando que os bancos hoje não detêm mais o monopólio dos serviços financeiros, está nas mãos das empresas fazer deles um fator de atração a mais.

Lembre que as pessoas buscam hoje mais do que soluções, mas experiências memoráveis.

Nesse aspecto, tornar a oferta de serviços bancários invisível é um grande diferencial.

7. Analise e monitore resultados

Trabalhar com dados implica não só implementar soluções de coleta, armazenamento e tratamento mas, sobretudo, impõe a necessidade de avaliar os resultados obtidos.

Esse é mais um avanço que só se tornou possível com a digitalização do sistema financeiro. 

Afinal, nele a competitividade tem mais a ver com a forma como cada empresa usa os dados financeiros de seus clientes. 

Quais as taxas de serviços financeiros?

Ainda que o conceito de Open Banking tenha ampliado a oferta de serviços financeiros gratuita, existem certas taxas a serem observadas, conforme as regras da Febraban

Algumas das que ela informa em seu site são:

Conhecer as taxas envolvidas em serviços financeiros é importante para quem os oferece (em razão das transparência com o cliente) e para quem contrata.

Como a tecnologia qualifica os serviços financeiros

A Aarin assumiu o compromisso de levar serviços financeiros às empresas, que passam assim a ofertá-los diretamente aos seus clientes.

Isso só é possível com aplicação da chamada tecnologia agnóstica, cuja operação acontece sem que o beneficiário precise se inteirar dos detalhes técnicos.

Aqui o Open Banking acontece na prática, permitindo que você possa utilizar a API de boleto do banco A, a API de criptomoeda do Banco B e a linha de crédito do banco C, por exemplo.

👉Conheça o conceito de Invisible Banking da Aarin.

Conclusão

Uma nova maneira de se fazer negócios está começando a surgir, em razão da digitalização dos meios de pagamento e da abertura do sistema bancário.

Sua empresa pode fazer parte disso, oferecendo serviços financeiros sob medida para os seus clientes. 

A Aarin é sua parceira nessa jornada, ajudando seu negócio a abrir contas diretas, sem a necessidade de um banco para intermediar suas operações.

Entre em contato com a gente e veja como fazer parte da era digital em serviços financeiros!

Sair da versão mobile